PT e PL Planejam Recorrer se TRE-PR Rejeitar Cassação de Moro

PT e PL Planejam Recorrer se TRE-PR Rejeitar Cassação de Moro

Os partidos políticos PT e PL afirmaram que recorrerão à instância superior caso o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) não cassar o mandato do senador Sergio Moro (União Brasil-PR). O julgamento foi retomado nesta quarta-feira (3) e há expectativa de que o caso seja encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) caso Moro seja inocentado.

O advogado do PT, Luiz Eduardo Peccinin, e a equipe jurídica do PL, composta por Bruno Cristaldi e Marcelo Demanto, garantiram que contestarão a decisão caso Moro não seja cassado. O placar atual do julgamento está empatado, com um pedido de vista da desembargadora Cláudia Cristina Cristofani adiando a conclusão para a próxima segunda-feira (8).

Os partidos argumentam que houve abuso de poder econômico por parte de Moro, que inicialmente se apresentava como presidenciável na pré-campanha e, posteriormente, se candidatou ao Senado.

Na primeira sessão do julgamento, o relator do caso, desembargador Luciano Carrasco Falavinha, votou contra a cassação do mandato de Moro, afirmando que não foi provado abuso, caixa 2 ou corrupção. Na segunda sessão, o desembargador José Rodrigo Sade discordou de Falavinha e empatou a votação, alegando "patente abuso" no caso.

O advogado do PT, Luiz Eduardo Peccinin, expressou confiança de que o TRE-PR analisará o caso como um precedente importante para futuras eleições municipais e gerais.

As equipes jurídicas dos partidos concordam que o processo seguirá até todos os recursos serem esgotados. Mesmo que o TRE-PR decida manter o mandato de Moro, o caso será remetido ao TSE em maio.

Independentemente do veredito do TRE-PR, Moro permanecerá no cargo de senador até uma decisão final do TSE.

O julgamento conta ainda com os votos de outros juízes, incluindo a desembargadora Cláudia Cristina Cristofani, cujo voto está aguardado para a próxima sessão.

Fontes do TRE-PR consultadas pelo Estadão afirmaram que os magistrados estão comprometidos em concluir o julgamento até a próxima semana, embora alguns possam solicitar mais tempo para analisar o caso.

Voltar para o blog

Deixe um comentário

1 de 4